sábado , 29 julho 2017

Servidores do estado invadem e ameaçam ocupar Alerj para impedir pacote do governo

protesto-alerj-jpegDepois da invasão de servidores do Estado na Assembleia Legislativa do Estado (Alerj), um grupo de 300 servidores está reunido no plenário da casa deliberando sobre o que será feito. Os funcionários já cogitam ocupar a casa para mostrarem a insatisfação do funcionalismo diante do pacote de medidas do governo.

Os servidores gritam contra o governador Luiz Fernando Pezão e pedem sua saída do cargo. Os funcionários questionam a intenção do governo de cortar 30% dos salários de todos os 460 mil servidores, entre ativos, aposentados e pensionistas.

Dentro da Alerj, a sala da vice-presidência foi invadida e teve móveis e utensílios quebrados. Os servidores estão dentro dela, enquanto a segurança particular da casa observa o que está acontecendo.

Na porta da assembleia, um grupo de 30 policiais militares monitora a situação. Até o momento, nenhuma confusão foi registrada.

Servidores ocupam Palácio Tiradentes
Tapumes foram derrubados por manifestantes

Segundo o presidente da Alerj, o deputado Jorge Picciani, a invasão do plenário da Alerj é um crime e uma afronta ao estado democrático de direito sem precedentes na história política brasileira e deve ser repudiado. Em uma nota oficial, os deputado afirma que os prejuízos causados ao patrimônio público serão registrados e encaminhados à polícia para a responsabilização dos culpados.

Nota oficial da Alerj

A invasão do plenário da Alerj é um crime e uma afronta ao estado democrático de direito sem precedentes na história política brasileira e deve ser repudiado. Esse é um caso de polícia e de justiça e não vai impedir o funcionamento do Parlamento. No dia 16 iniciaremos as discussões das mensagens enviadas à Alerj pelo Poder Executivo. Os prejuízos causados ao patrimônio público serão registrados e encaminhados à polícia para a responsabilização dos culpados.

Entenda as propostas

Segundo a proposta apresentada pelo governo estadual, os servidores ativos, que já contribuem com 11% dos vencimentos, vão passar a pagar 14%, além de uma alíquota extra de 16%, criada. Inativos e pensionistas que ganham mais de R$ 5.189,82 também pagarão o mesmo.

A mudança mais extrema será na faixa de aposentados e pensionistas que ganham abaixo de R$ 5.189,82. Isentos até hoje, eles passarão a contribuir, caso o projeto de lei seja aprovado na Alerj, com 30% de seus vencimentos.

Fonte: extra.globo.com – Fotos: Nelson Lima Neto

@canalpetropolis #canalpetropolis

Banner mega

Gostou do post? Compartilhe: